Também chamado de ensaio dinâmico, é um ensaio que objetiva principalmente determinar a capacidade de ruptura da interação estaca-solo, para carregamentos estáticos axiais. Ele difere das tradicionais provas de carga estáticas pelo fato do carregamento ser aplicado dinamicamente, através de golpes de um sistema de percussão adequado, possuindo execução muito mais rápida e custo bastante inferior. A medição é feita através da instalação de sensores no fuste da estaca, em uma seção situada pelo menos duas vezes o diâmetro abaixo do topo da mesma. Os sinais dos sensores são enviados por cabos ao equipamento PDA, que armazena e processa os sinais “on line”. Além da capacidade de ruptura do solo, esse ensaio pode gerar outros tipos de dados como: as tensões máximas de compressão e tração no material da estaca durante os golpes; o nível de flexão sofrido pela estaca durante o golpe; informações sobre a integridade da estaca, com localização de eventual dano e estimativa de sua intensidade; energia efetivamente transmitida para a estaca, permitindo estimar a eficiência do sistema de cravação; deslocamento máximo da estaca durante o golpe; velocidade de aplicação dos golpes; entre outros. 

 

SEGUNDO A NBR 6122/2010, PARA COMPROVAÇÃO DE DESEMPENHO, AS PROVAS DE CARGA ESTÁTICAS PODEM SER SUBSTITUÍDAS POR ENSAIOS DINÂMICOS, QUE SÃO MAIS RÁPIDOS, POSSUEM MENOR CUSTO, E QUASE NÃO CAUSAM TRANSTORNO À OBRA, NA PROPORÇÃO DE CINCO ENSAIOS DINÂMICOS PARA CADA PROVA DE CARGA ESTÁTICA.